Adepará encerra inquérito sorológico e prevê reconhecimento de status livre da aftosa .

No fim de janeiro de 2013, as últimas propriedades que ainda permaneciam sob a expectativa do resultado dos novos testes realizados tiveram a negatividade sorológica dos animais sentinelas confirmada. Com o resultado favorável encerraram-se as atividades de campo do inquérito soroepidemiológico no estado do Pará. Foram mais de 13 mil amostras em 382 propriedades localizadas em 58 municípios.

Depois de cumprir todas as exigências do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o Pará se prepara para receber o reconhecimento nacional de status livre de febre aftosa, o que está previsto acontecer ainda no primeiro semestre de 2013 e a expectativa é que em 2014 receba o Estado reconhecimento internacional. Antes, porém, por decisão do Mapa, é preciso aguardar a confirmação da ausência da circulação viral nos estados vizinhos do Nordeste – Maranhão, Piauí, Ceará, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Paraíba e Alagoas.

Em 2012, a Adepará investiu na saúde animal, o valor de R$ 6.615.705,60 , referente ao convênio animal como o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimentos (Mapa), acrescido do 10% da contrapartida estadual. Em 2011, o repasse foi de R$ 10. 788.780,80, totalizando, R$ 17.404.486,49.

Para atender a defesa vegetal o convênio com o Mapa repassou a somatória de R$ 3.332.052,00 no período de 2011 e 2012. O total geral de repasse de recursos financeiros para as defesas animal e vegetal no Estado no período de 2011 e 2012 foi de R$ 20.736.538,49. O convênio com o Mapa, que se estende até 2015, totalizará R$ 59.282.505,49.

Os investimentos do Estado e do governo federal refletiram nos resultados que aparecem hoje nas ações da defesa agropecuária e que levaram o Pará a uma posição de destaque e referência no cenário nacional da defesa animal e vegetal. “Para que o mercado externo esteja atento aos produtos paraenses de origem animal e vegetal a orientação é reforçar o trabalho da defesa agropecuária a fim de evitar a entrada de pragas e doenças e manter a vigilância constante em nossas fronteiras ”, declarou Mário Moreira, diretor geral da Adepará.

Para contribuir com o trabalho de fiscalização e atenção à defesa, recentemente mais 15 veículos e 10 motos foram repassados pela Adepará, desta vez, aos municípios de Tucuruí, Altamira, Tucumã, Itaituba, Redenção, São Geraldo, Novo Progresso, Marabá, Xinguara, Santana do Araguaia e Conceição do Araguaia. Somando-se a esse último repasse, cerca de 200 novos veículos foram entregues no último ano para atender a defesa agropecuária no Estado.

Os investimentos permitem que as ações de fiscalização e de defesa animal e vegetal aconteçam nos 144 municípios. A Adepará disponibiliza atualmente 190 estruturas físicas distribuídas em 127 municípios do Estado, sendo 20 gerências regionais – 09 localizadas na área I; 06 regionais na área II e 05 gerências regionais na área III – escritórios e unidades da Adepará.

A Adepará possui 1020 servidores públicos, destes, 155 são médicos veterinários e 112 são agrônomos. Juntos eles fazem o controle às pragas e as doenças; atuam nas fiscalizações e nas apreensões necessárias através dos postos de fiscalização fixos e móveis da Adepará, localizados em locais estratégicos.

Quanto a classificação sanitária do Estado, a área I, que está livre da febre aftosa com vacinação reúne 44 municípios das regiões sul e sudeste do Estado e as áreas II e III, ambas consideradas de médio risco com relação a classificação sanitária, reúnem respectivamente 67 municípios da região do nordeste paraense e 32 municípios das regiões do Marajó e do Baixo Amazonas .

A qualidade da defesa agropecuária do Estado reflete na economia e na abertura de novos mercados interna e externamente. Atualmente,o Pará é o 4º maior produtor de carne e o maior exportador de boi em pé. Em 2012, o total de bovinos e bubalinos exportados vivos foi de 388.188. Com o status livre de aftosa, esse cenário tende a melhorar.

O Pará possui hoje 19.483.636 milhões de cabeças de bovinos e bubalinos distribuídos em 108.412 propriedades rurais. Conta com 15 matadouros frigoríficos SIF e 12 matadouros frigoríficos SIE; 26 laticínios SIF e 23 laticínios SIE.

Com relação aos bovídeos, especificamente, 76,61% estão distribuídos em propriedades localizadas nos municípios da área I (sul e sudeste do Pará), totalizando 14.773.673 bovídeos; 14,99%, o equivalente a 2.889.660 bovídeos distribuídos em propriedades dos municípios da área II (nordeste paraense) e 8,4% , percentual que totaliza 1.620.304 bovídeos distribuídos em propriedades localizadas no Marajó e no Baixo Amazonas.

Na área I, que reúne 44 municípios do sul e sudeste, destacam-se as propriedades dos municípios de Tucumã, com 3.112.982 bovídeos, o equivalente a 16,1% do total; Redenção com 2.592.431 cabeças de boi, o equivalente a 13,4%; Marabá com a confirmação de 2.033.810 bovídeos, que refere-se a 10,5% do total. Destacam-se ainda os municípios de Altamira, Xinguara, Tucuruí, São Geraldo e Novo Progresso, respectivamente com 1.806.118 (9,4%), 1.558.239 (8,1%), 1.077.827 (5,6%) e 684.518 mil (3,5%).

Na a região do nordeste paraense os municípios mais propícios a pecuária são Rondon do Pará, cujas propriedades reúnem um total de 627.931 mil bovídeos, o equivalente a 3,27% ; Paragominas com aproximadamente 628 mil bovídeos; Capanema com cerca de 309 mil cabeças; Capitão Poço com cerca de 273 mil; Abaetetuba com 260.555 bovídeos e Castanhal com 142.300.

Santarém, Oriximiná, Soure, Breves e Almerim são os municípios que reúnem os maiores quantitativos de bovídeos na região III ( Baixo Amazonas e Ilha do Marajó). Em Santarém o total de bovídeos é de 439.386; em Oriximiná, 381.061 e em Soure, 326.464.

Fone: Adepara

Foi útil a notícia? Seja o primeiro a comentar.
O URL curto do presente artigo é: http://ruralbook.com.br/rbN1Z7G

ruralbook

Rodrigo Fraoli - CEO Ruralbook / Designer / Especialista em MKT Digital para o Agronegócio. * Saiba mais em #mktparaoagro - RURALBOOK *

Você pode gostar...

Seja o primeiro a comentar