Brasil está perto de cumprir 100% da Cota Hilton –

Exportações de carne bovina à União Européia devem atingir quase 10 mil toneladas até o fim do primeiro semestre

 

Os embarques de carne bovina brasileira para a Europa por meio da Cota Hilton devem chegar próximos a 10 mil toneladas até o fechamento do primeiro semestre deste ano (30 de junho). “Devemos preencher quase 100% da cota que o Brasil tem direito, algo que não acontece desde 2006”, destaca Fernando Sampaio, diretor-executivo da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec).

Fonte: Internet

Fonte: Internet

A Cota Hilton atende a um nicho de mercado de cortes de alto padrão e se destaca pela valorização dos produtos. Para se enquadrar nesse acordo, é necessário que os animais sejam rastreados desde a desmama e criados exclusivamente a pasto. “É muito difícil se enquadrar nos requisitos da cota. Estamos negociando formas de viabilizar essas exigências de rastreabilidade e alimentação”, disse Sampaio.  

Um dos objetivos da Abiec para 2016 é retomar o número das exportações de 2014, quando foram embarcadas 1,5 milhão de toneladas de carne, gerando a receita de US$ 7,2 bilhões. “Temos um cenário cambial favorável. A China tem comprado bastante e também recuperamos o market share de importantes mercados do Oriente Médio. O volume exportado cresceu 12% nos cinco primeiros meses desse ano, em relação ao mesmo período em 2016, e as expectativas para o segundo”, afirma.

Acordo com UE – Segundo o executivo, o acordo com a União Europeia, que habilitou 14 novos Estados a enviar matéria prima para frigoríficos habilitados a exportar carne enlatada e termoprocessada ao bloco não deve ser sentido a curto prazo. “A princípio, esse acordo não deve impactar consideravelmente o volume das exportações. Os reflexos só serão sentidos após o segundo semestre. Quem deve se beneficiar agora são os frigoríficos, que passam a ter melhor poder de compra”, avalia.

Outros mercados – Para elevar o volume de carne embarcada ao exterior, Sampaio vê como fundamental a ampliação do acordo com a China. Em ida recente ao País asiático, o ministro Blairo Maggi confirmou a visita de veterinários chineses ao Brasil com o objetivo de ampliar o número de plantas habilitadas a exportar para o país.

A Abiec quer também ampliar o leque de produtos exportados para o gigante asiático. Atualmente, os chineses compram apenas carne bovina in natura do Brasil. O objetivo é incluir miúdos e  carne com osso nas vendas.

Outro mercado com ampliação no radar é a Turquia, que foi o maior comprador de gado em pé do Brasil deste ano, somando 37.876 cabeças. “Queremos que os turcos também comprem carne brasileira. Sanitariamente falando, não faz sentido que o país abra seu mercado para um produto e não para outro”, destaca.

EUA – A abertura do mercado norte-americano para carne bovina in natura segue em fase final de negociações. De acordo com Fernando Sampaio, falta apenas a visita de um auditor brasileiro aos Estados Unidos para que os países entrem em acordo em relação aos certificados sanitários. A visita já era para ter acontecido, mas foi adiada em virtude da troca do governo. A expectativa é que um técnico brasileiro visite os EUA ainda nesse mês.

Por Alisson Freitas
Fonte: Portal DBO
Foi útil a notícia? Seja o primeiro a comentar.
Like
Like Love Haha Wow Sad Angry
O URL curto deste artigo é: https://wp.me/p49eYW-2ek

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Validar Operação * O limite de tempo está esgotado. Por favor, recarregue o CAPTCHA.