Dia do Agricultor – 28 de julho: quem trabalha no campo, trabalha para todos

Confira a história desse dia, quais os motivos que temos para celebrar, as mudanças do agricultor nos dias de hoje e muito mais.

Dia 28 de Julho comemoramos o Dia do Agricultor. A data foi instituída em 1960, pelo então presidente Juscelino Kubitschek, para comemorar os 100 anos da criação do Ministério da Agricultura. Muita coisa mudou desde essa época: a ciência, a tecnologia e o empreendedorismo inerentes aos agricultores brasileiros transformaram a arte de produzir alimento.

Tanto é assim, que a produção brasileira de grãos cresceu 400% nos últimos 40 anos, enquanto a área efetivamente semeada aumentou apenas 40%. Mas não é só nisso que se baseia o agro do Brasil. Do algodão da roupa, passando pelo etanol do seu carro, até o pãozinho de cada dia, passam pelas mãos do agricultor.

Do campo à internet, grande parte da audiência do portal Clic Camaquã vem do ‘interior’. Pensando nisso, criamos o primeiro programa da ClicRádio totalmente dedicado ao produtor rural.

A história por trás da data do Dia do Agricultor

Em 28 de julho de 1860, Dom Pedro II criou a Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas. Já em 1930, depois de diversas mudanças de nomenclatura, a Pasta passou a se chamar Ministério da Agricultura.

E em 1960, o presidente Juscelino Kubitschek foi o responsável pela instituição do dia 28 de julho como Dia do Agricultor, sancionando o Decreto de Lei nº 48.630, de 27 de julho de 1960.

O então presidente criou a data exatamente em homenagem ao centenário da fundação do Ministério da Agricultura por D. Pedro II.

Na época, o presidente disse em seu discurso que “o Brasil deve grande parte da sua prosperidade à economia agrícola”.

Nós veremos que, quase 60 anos depois, essa frase ainda é bastante atual!

Dia do Agricultor

O governo de JK, que instituiu o Dia do Agricultor, possuía um Plano de Metas, sendo uma delas a meta de mecanização da agricultura, a qual indicava a necessidade de fabricação de tratores, prevista na meta da indústria automobilística (Fonte: FGV)

A importância do Dia do Agricultor

Como já comentamos, a importância do agricultor vai muito além de colocar um alimento em sua mesa.

Além de produzir alimentos, o agricultor é responsável por produzir matéria-prima para inúmeros insumos que você consome no dia a dia.

O papel, a borracha e o lápis que você utilizou só estavam disponíveis porque algum agricultor trabalhou arduamente plantando árvores, como eucalipto e pinus, por exemplo.

O mesmo sentido vale para sua roupa que precisa do algodão, seus móveis que precisam da madeira, enfim… todos os produtos de nosso dia a dia têm uma ligação com o agricultor.

Só quem é agricultor sabe que essa profissão vai muito além. Não existe feriado, finais de semanas, “muito cedo” ou “muito tarde”.

Além disso, a agricultura envolve muitas outras habilidades que as ciências agrárias:

  • Gestão de pessoas para que sua equipe esteja motivada e treinada;
  • Gestão empresarial para a saúde financeira e operacional;
  • Entender e conhecer o mercado para não perder oportunidades – e tantas outras funções que acabam exercendo.

Isso sem falar do dinamismo empreendedor que os agricultores brasileiros sempre tiveram para tornar as safras do Brasil as maiores e melhores do mundo todo.

Vale destacar aqui os inúmeros agricultores e suas famílias que deixaram seu lar em sua cidade natal e foram enfrentar fronteiras agrícolas como Centro-Oeste, Norte e Nordeste.

Eles desbravaram o Brasil e conseguiram transformar condições impróprias, como o solo ácido do Cerrado ou o clima do Norte e Nordeste, em oportunidades para prosperar.

Por isso, o agricultor é um membro muito importante para a sociedade, justificando ter um dia para sua homenagem.

Centro-Oeste, antes local considerado impróprio para a agricultura, se tornou o líder em produção de grãos pelas mãos dos agricultores com ciência, tecnologia e muito empreendedorismo! (Fonte: Embrapa)

Dia do agricultor: agricultor(a) do passado e do presente

Conforme os anos foram passando, muita coisa mudou no campo e os agricultores também acompanharam essa evolução.

Antigamente, o produtor rural era visto como um trabalhador que vivia isolado da sociedade, sem muita escolaridade, desatualizado das informações e com poucos meios de comunicação.

Essa realidade mudou, começando pela escolaridade dos produtores, os quais, especialmente em médias e grandes propriedades, possuem graduação completa.

Não foi só o desenvolvimento do Brasil que levou a isso, mas também a necessidade de conhecimento para ter lucro com o trabalho rural que exigiu essa escolaridade.

Os agricultores sabem que, sem o devido estudo, é impossível ter sucesso em um negócio que exige tantas habilidades como já comentamos.

A comunicação e tecnologia também impulsionam o trabalho do agricultor. Hoje, 96% utilizam celulares, sendo que, destes, quase 3/4 utilizam as redes sociais.

Dia do Agricultor

Produtor rural em grandes e pequenas propriedades hoje tem mais acesso à tecnologia (Fonte: ABMRA)

Com isso, aplicativos para auxiliar na gestão de sua propriedade, sistemas de agricultura de precisão, irrigação e outros estão se tornando comuns e vieram para ficar na agricultura brasileira, ajudando e otimizando o trabalho do agricultor.

Falando em mudanças e no agricultor do presente, o termo mais correto aqui seria o Dia do(a) Agricultor(a).

A presença feminina do campo passou de figurante para protagonismo, lugar conquistado e merecido já há tempos pelas mulheres do nosso agro.

6 motivos para o Dia do Agricultor: Por que quem trabalha no campo trabalha para todos?

Ainda tem dúvidas de que quem trabalha no campo trabalha para todos? Confira então 6 motivos para isso:

1°: Porque move os veículos com etanol e veste o mundo todo com algodão

As malhas de algodão sempre são as mais confortáveis e mais utilizadas em todo o mundo. O Brasil vem crescendo no plantio dealgodão, com aumento de quase 20% em 2018/19.

Além disso, é claro que você já ouviu falar em energia limpa, energia renovável ou em biocombustíveis.

O agricultor produz a matéria-prima para a realização de todas essas técnicas, como soja, mandioca, canola e, especialmente, a cana-de-açúcar.

2º: Porque estimula a geração de empregos

O agricultor gera emprego não apenas em sua lavoura, mas em toda cadeia produtiva.

Desde o funcionário de uma fábrica de roupas a uma startup, proporcionando crescimento econômico.

No último ano, por exemplo, o setor agropecuário fechou com saldo positivo de geração de empregos: cerca de 3,4 mil postos de trabalho.

3º: Porque usa a tecnologia para o desenvolvimento do país

O agricultor está sempre em busca de novas tecnologias para aumentar o rendimento de suas lavouras. Indiretamente, fomenta a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico voltados para o setor agro.

4º: Porque cuida da nossa terra

Além de cuidar das fronteiras com outros países, o agricultor tem o dever de cuidar da terra.

E muito se engana quem pensa que é exatamente ele que prejudica a terra, pelo menos não intencionalmente. É da terra que ele tira o sustento próprio e o de sua família e é claro que ele não tem nenhuma intenção de danar o solo.

O cuidado com as erosões, o manejo para que o solo fique próprio para os cultivos e todas as operações agrícolas têm sempre como objetivo maior cuidar da terra para que a mesma seja viável para as futuras gerações. É a sustentabilidade no agro.

5º: Porque alavanca a economia

Além dos inúmeros motivos que já destacamos aqui nesse texto sobre a importância do agricultor na sociedade, vamos ressaltar com alguns números:

Hoje, o mercado agrícola é responsável por mais de 20% do PIB e movimenta 38% dos empregos no país, sendo o setor que mais movimenta a economia.

6º: Porque alimenta o mundo!

Sabe aquela frase clichê: “Você já se alimentou hoje? Agradeça a um agricultor!”? Realmente ela faz sentido. Se o produtor rural não existisse, você não teria alimento em sua mesa.

Para você ter ideia, as fazendas brasileiras produzem o suficiente para alimentar quatro vezes a nossa população – ou mais de 850 milhões de pessoas ao redor do globo.

Dia do Agricultor

Produção de alimento no Brasil é suficiente para alimentar 850 milhões de pessoas; país é o um dos maiores produtores agrícolas do mundo (Fonte: Blog Léo Gomes)

Merecida homenagem

Na visão geral do mundo, o agricultor é o exemplo da simplicidade, até pelo meio em que vive. De fato, não estão errados em pensar assim e, em alguns casos, essa singeleza alcança patamares de humildade que são capazes de emocionar qualquer um, ainda mais quando se trata do amor pela agricultura. Neste dia do agricultor, o Projeto Soja Brasil fará uma justa homenagem a um produtor de soja que conseguiu aliar esse amor pela agricultura, humildade e a propagação dos conhecimentos.

O produtor que estamos falando não é nenhum desconhecido, mas nas últimas semanas viu sua fama alcançar patamares que ele nem imaginava. Mas se engana quem pensa que o produtor de soja de Mangueirinha (PR), Laércio Dalla Vecchia, mudou a sua rotina após conquistar o título de campeão nacional de produtividade do Cesb.

Na verdade, podemos falar em ampliação da fama, porque entre os produtores rurais, “Laércio, o Agricultor” (nome usado nas redes sociais) já era conhecido por seus vídeos repassando os conhecimentos que adquiriu empiricamente, ou seja, debateu, testou e repassou o que aprendeu.

E, sabe o que ele tem feito com o aumento de sua notoriedade? O mesmo que fazia antes, continuou a debater técnicas da agricultura com outros produtores, gravou videos mostrando o uso de manejos diferenciados e destacou a importância de se fazer o básico bem feito, a fim de garantir uma produtividade melhor, sem aumento de custos.

“O principal segredo do sucesso de uma lavoura não é encontrada em uma revenda ou em uma cooperativa. Temos que fazer o básico bem feito, com plantio direto, rotação de culturas e princípios ativos e a escolha da variedade certa para a área. Sempre há algo que podemos fazer dentro da porteira que não representará aumento de custos, mas certamente gerará mais sacas de soja por hectare”, disse Laércio ao finalizar sua participação na live do Projeto Soja Brasil da última quinta-feira, 23.

O básico bem feito, no qual Laércio se refere, não é um lema para as lavouras apenas, mas para a vida. O sucesso ainda maior do agricultor após o Cesb se deve a um traço de personalidade que ele tem de sobra: a humildade!

Humildade que pode ser notada perfeitamente em uma das marcas registradas dele: o chapéu de palha de trigo, feito a mão por sua mãe, a Dona Rosa, enquanto ele ainda era criança. Até nisso o básico foi bem feito, pois o chapéu tem a simples finalidade de o proteger do sol durante as longas caminhadas para monitorar suas lavouras, duas coisas que ele nunca dispensa.

Laércio fazendo o monitoramento das lavouras com o seu tradicional chapéu de palha de trigo – Foto: Daniel Popov

Felicidade por poder mostrar mais

Há quase duas semanas, o Laércio recebia o prêmio de campeão nacional de produtividade de soja do Cesb. Mas não foi somente o fato de ter colhido 118,8 sacas por hectare que o deixou emocionado, mas também a oportunidade de fazer e mostrar aquilo que ele mais aprecia: o compartilhamento do conhecimento. E, ali, ele poderia ajudar muita gente, muitos outros produtores que também querem colher mais gastando menos.

O Projeto Soja Brasil pode acompanhar um pouco desse momento incrível vivido pelo agricultor, desde espera e apreensão antes da premiação, até o desabafo e choro dos familiares após a consagração. A emoção do Laércio contagiou todo mundo nos grupos que ele administra, sem falar em quem acompanhava a premiação pela internet, os jornalistas do Canal Rural e até o comentarista Alexandre Garcia, que fez questão de fazer uma homenagem a ele.

Claro que os grupos que o produtor mantém estavam em uma festa só. Pena que, como muitos disseram, a pandemia não permitiu um grande churrasco de comemoração!

O próprio Laércio faz questão de ressaltar que não concluiu uma faculdade na área que ama. “Sou apenas agricultor”, completa. Mas isso não faz a menor diferença quando o assunto é agricultura. Para ele, os grupos não têm caráter de autopromoção, mas servem para debater as muitas possibilidades que os manejos diferentes ocorridos em outras fazendas possam agregar em sua produção.

“Não sou formado, sou agricultor. E todo o conhecimento que possuo hoje é empírico. Tenho pelo menos três grandes grupos técnicos de debate de agricultura. É muita informação, muita troca de experiências e conhecimentos. O que funciona para um pode não dar certo com o outro, mas testamos para aprender e entender o que é melhor para nossa área”, destaca.

Da esq. para a dir. a esposa Andreia, a filha Maria Sofia, Laércio, o filho Gustavo, a mãe Rosa, o pai Clemente e o filho Ricardo. Todos com o chapéu de palha de trigo!

Por essas e outras razões que o Projeto Soja Brasil agradece a dedicação de todos os agricultores do país neste dia mais do que especial. O exemplo do Laércio é um entre tantos, mas certamente ficará marcado por tudo que pode agregar para o crescimento e expansão da soja no Brasil.

Obrigado Laércio e obrigado agricultores, este dia é de vocês, o país agradece!

Fonte: Canal Rural

Foi útil a notícia? Seja o primeiro a comentar.
Like
Like Love Haha Wow Sad Angry
O URL curto deste artigo é: https://wp.me/p49eYW-6ew

Você pode gostar...