Diário do Pará revela finalistas do Prêmio Agropará 2017

Em sua terceira edição, a premiação será entregue a 18 personalidades do agronegócio paraense, dividida nas categorias de Produção Animal e Produção Vegetal

Em 2015, reforçando seu compromisso em favor dos principais setores econômicos do Estado, o Jornal Diário do Pará iniciou um movimento em busca de maior visibilidade e reconhecimento
ao setor do Agronegócio paraense, lançando uma Revista totalmente dedicada ao segmento e instituindo o Prêmio Agropará. No dia 29 de novembro, o Jornal estará promovendo a terceira edição da premiação, no Auditório Albano Franco, da Fiepa. A lista divulgada hoje traz os três finalistas de cada categoria, em ordem alfabética, pois os vencedores serão revelados apenas no dia da entrega do prêmio.

Em 2016, um grande público prestigiou a premiação dos empresários do agronegócio paraense.

Em sua terceira edição, a premiação já se consolidou e hoje é celebrada como um dos mais importantes instrumentos de reconhecimento e divulgação do agronegócio paraense, um setor que responde por cerca de 40% da economia do Estado. Este ano, o Prêmio Agropará será entregue a 18 personalidades do agronegócio, dividido nas categorias de Produção Animal e Produção Vegetal, representando a diversidade da produção paraense.

Para o diretor-presidente do jornal Diário do Pará, Jader Filho, a premiação é um reconhecimento a tudo que o setor representa para o Estado, uma vez que as oportunidades de desenvolvimento, avanços econômicos e sociais do Pará passam pela valorização do agronegócio. “Essa homenagem é uma contribuição para a divulgação e o fortalecimento desse importante segmento que, mesmo em meio a esta crise severa que o País atravessa, não para de crescer”, ressalta Jader. Na difícil conjuntura que o Brasil se encontra, é o Agronegócio que vem garantindo a força da economia brasileira no cenário mundial. Além disso, o segmento é responsável pela maioria dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros.

No Pará, a cadeia produtiva do Agronegócio, além do destaque nacional na pecuária, possui culturas como a mandioca, açaí, cacau, cítricos e dendê, nas quais é líder ou ocupa posição de destaque. SELEÇÃO O zootecnista e leiloeiro Guilherme Minssen, que presta consultoria técnica ao Prêmio Agropará desde sua primeira edição, revela que a listra tríplice dos indicados é elaborada a partir do contato com técnicos, associações, núcleos de criadores, sindicatos rurais e produtores de cada segmento, que dão as indicações dos mais destacados no ano. “Depois são definidos critérios de produção, boas práticas, tecnologia, resultados em campeonatos, torneios, entre outros. Vários órgãos oficiais foram fundamentais nas indicações, como o MAPA, Sedap, Ceplac, Faepa, Senar, Emater, ARPP e sindicatos rurais”, enumera Minssen.

Ele destaca que o processo de seleção dos indicados é bastante acirrado devido o patamar de excelência que o Agronegócio alcançou no Pará. “Todos os consultores do Prêmio Agropará tiveram dificuldades para indicação das diferentes categorias dentro de inúmeros potenciais candidatos. A categoria de Bovinos, que envolve a pecuária de corte e leite, por exemplo, teve 26 indicações para a lista tríplice final onde ficaram três destaques nacionais paraenses”, resume. Guilherme lembra que em 2015 o vencedor foi Winston Diamantino e em 2016 Reinaldo Zucatelli, e que também tiveram acirrada disputa. As outras categorias da premiação também apresentam expoentes. Nos grãos: soja, milho e arroz estão trazendo três campeões de produção.

Na Bubalinocultura, Lacticínios Caboco, Bubras e Marcus Pinheiro, mostram um novo tempo na carne e leite da espécie. No Cacau, os produtores vão receber a listagem do Diário do Pará deste domingo no “Salon du Chocolat”, em Paris, onde estão apresentando suas amêndoas campeãs nacionais. Em nenhuma categoria houve menos de 10 indicações, mas a Aquicultura
foi a campeã de indicações, 36 no total, num claro indicador do crescimento deste setor no Pará.

Por outro lado, o Técnico Destaque de 2017 representa a quarta geração de produtores rurais no Pará. “Armando Dias Teixeira Neto é bisneto de Epaminondas Ferreira Teixeira, um dos primeiros produtores rurais marajoaras que se dedicaram à criação de búfalos e seu pai, Armando Epaminondas Acatauassu Teixeira, desenvolveu a pecuária no então revolucionário
Projeto Jari”, ressalta Minssen.

Finalistas do Prêmio
Agropará 2017
(Três melhores colocados em ordem alfabética)

PRODUÇÃO ANIMAL
Bovinos
Altair Burlamaqui e Brenno Borges – Fazenda Carioca – Castanhal;
Carlos Eduardo Ribeiro do Valle – Fazenda Mutirão – Paragominas;
Mauro Lúcio Castro Costa – Fazenda Marupiara – Paragominas.

Bubalinos
Fiore di Búfala (Grupo Bubras) – Tomé Açu;
Júnior Santa Helena – Lacticínios Caboco – Marapanim;
Marcus Pinheiro – Salvaterra – Ilha do Marajó.

Equinos, Asininos e Muares
Haras Vitória – Brasileiro de Hipismo – Benevides;
Renato Giordano – Mangalarga – Ipixuna do Pará;
Roberto Paulinelli – Mangalarga Marchador e Muares – Rio Maria

Ovinocultura e Suinocultura
Gilmar Tavares Oliveira – Agroreal – Castanhal;
Marcos e Murilo Zancaner – Pagrisa – Paragominas;
Milton Schnorr – Fazenda Alecrim – Santarém.

Avicultura
Ernesto Kakuei Takakura – Santo Antônio do Tauá;
Raul Cepeda Fonseca – Granjas Amazônia – Santa Izabel;
Yasuhida Watanabe – Frango Americano – Santa Izabel.

Aquicultura
Associação Paragominense de Aquicultura – A.P.A. – Paragominas.
Aquicon – Associação dos Aquicultores de Conceição do Araguaia;
Valdir Gama – Piscicultura 18 – Alevinos – Igarapé-Açu;

Apicultura e Meliponicultura
Gerson de Morais (Fapic) Marapanim, Pirabas e Curuçá;
Hélio Rios (Apimec) Eldorado dos Carajás;
Oziel Monteiro de Souza (Apisan) Santarém Novo.

Mercado Pet
André Cunha – Aquanorte – Belém;
King’s Pet – Praça Batista Campos – Belém;
Vitória Régia Lagos e Jardins – Belém.

PRODUÇÃO VEGETAL
Grãos (arroz, soja e milho)
Agro São João – Soja – Rondon do Pará;
Paulo Cesar Quartiero – Arroz Acostumado – Santa Cruz do Arari.
Valmor Anversa – Soja e Milho – Paragominas;

Palma, Óleos e Gorduras Vegetais
Archer Daniels Midland – ADM do Brasil;
Dendê do Tauá S/A – Dentauá – Santo Antônio do Tauá;
Marcelo Britto – Agropalma.

Citros
Claudinei da Silva Costa – Gelo Mania e Limão;
Júnior Zamperlini – Laranjas e Limões – Citropar – Capitão Poço;
Nadja Ornela – Laranjas – Fazenda Ornela.
Açaí

CAMTA – Cooperativa Agrícola de Tomé Açu.
Eloy Luiz Vaccaro – Açaí Amazonas – Óbidos;
Francisco de Jesus Costa Ferreira – Palamaz Agroindústria;

Cacau
Dona Nena – Cacau Orgânico – Filha do Combú;
Nei Texeira – Rod. Transamazônica – Medicilândia;
Rita de Cássia Fernandez Aguiar – Cacauway – Medicilândia.

Florestas e Madeiras
Bemal – Betzel Madeiras Ltda;
João Lucas S. da Silva – Floresteca;
Tramontina Reflorestamento – Icoaraci.

Mandioca e Feijão Caupi
Benedito Dutra Luz de Souza – Tracuateua.
Edival Akitó Matsuzaki – Tracuateua;
Francisco Douglas Rocha Cunha – Augusto Correia;

Flores e Plantas Ornamentais
Aflorben – Associação de Floricultores de Benevides;
Di Fiori Orquídeas – Castanhal;
Orquidário Torres – Castanhal.

Extensão e Organização de Produtores Rurais
Destaque Geral 2017
Associação Brasileira dos Exportadores de Gado (ABEG);
Associação dos Criadores de Guzerá da Amazônia (ACGA);
Núcleo dos Criadores do Cavalo Mangalarga Marchador da Amazônia (NCCMMA).

Técnico Destaque em Agronegócios 2017
Armando Dias Teixeira Neto, Engenheiro Agrônomo – Paragominas.

Fonte: Diário do Pará

Veja matéria publicada no jornal

Foi útil a notícia? Seja o primeiro a comentar.
O URL curto do presente artigo é: http://ruralbook.com.br/rbQTiIV

ruralbook

Rodrigo Fraoli – CEO Ruralbook / Designer / Especialista em MKT Digital para o Agronegócio.

* Saiba mais em #mktparaoagro – RURALBOOK *

Você pode gostar...