Nutrição bovina precisa ser readequada durante a seca

O URL curto do presente artigo é: https://wp.me/p49eYW-4Wx

Especialista destaca alternativas de alimentação para o gado durante o período entre março e outubro

A seca é o período mais temido pelos pecuaristas. Independentemente do tamanho do rebanho ou do tipo de pecuária, corte ou leite, a queda da produção é evidente durante os meses de pouca chuva. O ideal, destaca José Carlos Ribeiro, consultor da Boi Saúde – Pecuária Inteligente, é preparar o organismo do gado desde o período das águas para evitar ao máximo a perda de peso. “Porém, caso o produtor não tenha se atentado, é possível reverter esse quadro na alimentação dos animais”, afirma.

Segundo José Carlos, na seca, se os animais apresentarem sintomas como redução de apetite e baixa produtividade, podem estar com necessidade de adequação na alimentação. Para reverter este quadro, diz ele, algumas medidas podem ser tomadas, como, por exemplo:

Pasto: é importante ter pasto no período de seca, mesmo que seco, pois ele representa até 90% da matéria seca ingerida pelo gado. E para isso o produtor precisa conhecer quais são as propriedades que o solo do seu terreno é rico e pobre. A deficiência de nutrientes como fósforo e cálcio pode afetar diretamente a reprodução para o próximo ciclo das águas. Algumas vigilâncias sanitárias locais oferecem o serviço de análise de solo, além de empresas particulares. Uma boa estratégia é vedar 30% da pastagem ainda no período das águas, para ser liberada no início da seca. Outra medida importante é preparar seu pasto com forrageiras resistentes como Avena (sativa), milheto (Penisetum americanum), sorgo forrageiro (Sorghum vulgare).

Sal proteinado: é o principal aliado do produtor no cocho. Essa proteína aliada a ureia e aditivos é responsável por manter o ganho de peso do gado também no período de seca. Além de minerais e a própria proteína, esse tipo de sal é rico em cálcio, ferro, zinco, fósforo, vitaminas A e E.

Moringa: planta originária do norte da Ásia, de alto teor nutritivo, composta por Vitaminas (A e C), Sais minerais; Proteínas; Ferro; Potássio; Aminoácidos; Tem ação anti-fúngica; anti-viral e anti-inflamatória. É resistente às pragas e atinge o ponto de corte com seis meses de cultivo. Deve ser triturada e armazenada em sacos. Após desidratá-la, pode ser incluída no cocho.

De acordo com José Carlos, estas são medidas simples que ao serem implementadas aos poucos, não trarão custos altos com impacto financeiro nos negócios. “A principal dica é a prevenção, o quanto antes o produtor estiver preparado para a seca, evitará a redução de peso, do rendimento de carcaça e produção de leite, alavancando sua lucratividade.”

Fonte: Universo Agro

Foi útil a notícia? Seja o primeiro a comentar.
O URL curto do presente artigo é: https://wp.me/p49eYW-4Wx

Você pode gostar...