O mercado que definirá os líderes em tecnologia está fora do eixo Estados Unidos, Europa e Ásia

O Brasil já está a caminho de uma das mais profundas transformações no campo, e que se intensificará nos próximos anos. É a digitalização do agronegócio que vai elevar o País à categoria de produtor de alimento com alta tecnologia, baseado na eficiência e em uma larga margem de sustentabilidade econômica, social e ambiental. Isso porque as inteligências no entorno desse processo navegam por todos os setores do agronegócio, antes e depois da porteira. O papel das agtechs, nome dado às empresas de tecnologia aplicadas ao agronegócio, tem sido o de abrir fronteiras, alargar horizontes e mostrar que a tarefa de mudar é imediata. Não por acaso, o Brasil, que hoje é o segundo maior usuário de tecnologias digitais no campo, pode passar os Estados Unidos rapidamente. “Pela primeira vez, o mercado que definirá os líderes de tecnologia está fora do eixo Estados Unidos, Europa e Ásia”, diz Luiz Tangari, CEO da Strider, empresa criada em 2013 e especializada em plataformas digitais para o monitoramento e controle de pragas. Acompanhe:

O Brasil tem potencial de fato para liderar a revolução tecnológica digital que está invadindo o campo?

Mas por que o País ainda não lidera essa revolução digital?

O que esperar do governo?

E da iniciativa privada?

Ela tem o papel de disseminar a tecnologia. Precisamos de mais empresas trabalhando com o agronegócio. Existem polos de tecnologia em São Paulo e Belo Horizonte que não conhecem o potencial do setor agropecuário. É necessário mais oferta no campo. Com isso, o mercado caminhará mais rápido para liderar a revolução tecnológica no agronegócio.
E o que cabe aos Produtores?

Os produtores precisam adotar as tecnologias mais rapidamente. Mas tivemos avanços nesses três últimos anos. Em 2014, era preciso explicar o que é software e o termo agtech nem existia. Hoje, em 40% dos contatos que fazemos, os produtores já conhecem o nosso serviço.

Como o produtor entende o investimento em software?

O produtor já entende que o investimento em software é para melhorar a gestão na fazenda. Ele vê como um primeiro passo. Mas, para fixar a ideia da tecnologia digital, nós acompanhamos o processo produtivo da propriedade e mostramos ao produtor os ganhos com relação à safra anterior. Medimos os níveis de adoção da técnica, os controles dos processos, os indicadores de produtividade de mão de obra, os prazos de tomada de decisão, entre outros.

Além dos Estados Unidos e do Brasil, quais outros países estão avançados no uso de tecnologia digital no campo e o que o Brasil ainda pode aprender com eles?

Os Estados Unidos estão na frente, seguidos pelo Brasil. Em terceiro lugar está a Austrália e depois vem a Ucrânia. A China e a Índia possuem grandes produções, mas no geral são pouco automatizadas. O que esses países têm de melhor do que a gente é a capacidade de difusão de conhecimento.

Como as agtechs estão se posicionando frente às mudanças que elas mesmas estão provocando?

A mudança está no cliente querendo uma solução mais integrada. Hoje, os produtos oferecidos ao mercado já possibilitam a integração entre as startups. Além disso, o segmento começa a caminhar para oferecer plataformas e não somente um único produto.

Como a sua empresa tem captado recursos para investir?

Em 2014, a Strider recebeu uma primeira rodada de investimentos com o fundo brasileiro Barn Invest. No ano passado, eles vieram dos fundos Monashees, que também é brasileiro, e do americano Qualcomm. Somando tudo, o valor é de cerca de R$ 10 milhões. Já o nosso faturamento mensal deve atingir R$ 1 milhão neste mês, com uma receita prevista de R$ 15 milhões no ano. Em 2016, faturamos R$ 7 milhões. Atualmente, somos os maiores do País, com 60% do mercado. Nossa área monitorada é de 2 milhões de hectares, 96% da área monitorada no Brasil.

Como o sr. vê o futuro do negócio?

Nós somos uma empresa de plataforma, mas no médio prazo o plano é ser uma companhia de dados, que indicará tendências aos produtores, igual ao Google. Como os dados são de propriedade dos clientes, ainda vamos ver como gerenciar essas informações. Também cogitamos mais investimentos para uma expansão internacional depois de 2018. Estamos conversando com empresas americanas e vamos precisar de algo entre US$ 10 milhões e US$ 20 milhões.

Fonte: Dinheiro Rural,

Foi útil a notícia? Seja o primeiro a comentar.
Like
Like Love Haha Wow Sad Angry
O URL curto deste artigo é: https://wp.me/p49eYW-4z1

ruralbook

Rodrigo Fraoli - CEO Ruralbook / Designer / Especialista em MKT Digital para o Agronegócio. * Saiba mais em #mktparaoagro - RURALBOOK *

Você pode gostar...