PIB agropecuário pode crescer 3,8% no ano que vem – Globo Rural

Expectativa otimista é de José Roberto Mendonça de Barros, sócio da MB Associados

Do alto de décadas analisando o setor produtivo, o economista José Roberto Monteiro de Barros, crava 3,8% de crescimento para o PIB do agronegócio brasileiro no ano que vem.  Ele acentua que o campo já está “bombando” e relaciona os motivos que o levam a acreditar no incremento de quase 4%.

Fonte: José Roberto Mendonça de Barros, economista (Foto: Marcelo Min/Ed. Globo)

Fonte: José Roberto Mendonça de Barros, economista (Foto: Marcelo Min/Ed. Globo)

Eu conversei hoje com Mendonça de Barros. Segundo ele, a  China, sempre a China, está aumentando a importação de alimentos de forma expressiva e isso é uma tendência, diz. Sua análise desmistifica as posições sustentadas nos últimos anos por outros especialistas de que a demanda do país asiático poderia perder fôlego. “Todo mundo sabe que o grande objetivo do atual governo é promover a expansão do mercado interno chinês”, afirma.

Segundo ele, não é mais apenas a soja, mas o milho, o açúcar e ascarnes que estão em franca expansão de importações.  E mais: “para garantir a originação das importações, os chineses investem pesado na compra e expansão de ‘trading companies’, que vêm diretamente ao Brasil comprar produtos”, diz.

Só para ilustrar: A Abiec, que representa os exportadores de carne bovina espera faturar US$ 1 bilhão somente com as exportações para a China neste ano. O país asiático não adquiria diretamente o produto brasileiro, e sim via Hong Kong.

Os embarques foram retomados em julho do ano passado. Pois bem, em janeiro deste ano, portanto apenas seis meses depois, a China já havia assumido a posição de principal destino das exportações brasileiras de carne bovina.

Mendonça de Barros acrescenta que o fluxo positivo deverá se manter também por conta da cotação do real na faixa dos R$ 3,50 a R$ 3,60 por dólar.

E, neste início de junho, o ministro da Agricultura e Pecuária, Blairo Maggi, embarca para a China em missão internacional. Além da reunião do G20, com ministros da agricultura, Maggi quer tratar da ampliação do número de indústrias habilitadas a exportar carne bovina, suína e de aves para a China. Pelo menos 100 frigoríficos solicitam abertura de mercado.

Importante: Mendonça de Barros acredita que a onda positiva do agronegócio deverá se espraiar e influenciar outros setores. Como o de caminhões, por exemplo, cujas vendas diminuíram no ano passado.

O agronegócio é bastante dinâmico. Demanda maquinário, insumos, mão-de-obra, ativa estradas e portos. “Sem dúvida, o campo está e vai continuar ‘bombando’ e o seu desempenho será fundamental para a reação do PIB brasileiro como um todo”, afirma Monteiro de Barros.

Eu disse ao economista que as suas projeções otimistas para o agronegócio são coincidentes com as opiniões de pecuaristas e agricultores captadas em nossas andanças pelo Brasil. Vale também para diretores de agroindústrias.

Fonte: Sebastião Nascimento / Globo Rural

Foi útil a notícia? Seja o primeiro a comentar.
O URL curto do presente artigo é: http://ruralbook.com.br/Ch4Pk

Você pode gostar...

Seja o primeiro a comentar