Protesto de agricultores em Berlim reúne mais de 1.500 tratores

Agricultores protestam em Berlim por fim de benefícios fiscais sobre o diesel e que pode gerar uma sobrecarga de 1 bilhão de Euros ao setor produtivo

Em um cenário marcado pela união de forças, mais de 1.500 tratores invadiram as ruas de Berlim nesta segunda-feira(18), em um protesto protagonizado por agricultores alemães. Esse evento marcante foi desencadeado pelo descontentamento generalizado em resposta a um projeto do governo que propõe o fim de benefícios fiscais sobre o diesel utilizado na agricultura e crucial para o setor agrícola.

Protesto de agricultores em Berlim: Mobilização espontânea e determinada

Protesto de agricultores em Berlim reúne mais de 1.500 tratores

Convocado pela Associação Alemã de Agricultores, o protesto foi caracterizado por uma mobilização espontânea e impressionante. Agricultores de diversas partes do país convergiram para a capital alemã Berlim, muitos deles dirigindo seus próprios tratores. A resposta foi significativa, com estimativas variando entre 8.000 e 10.000 participantes e mais de 3.000 tratores presentes, segundo a associação. A polícia, por sua vez, apresentou números ligeiramente inferiores, calculando cerca de 6.600 manifestantes e 1.700 tratores.

O presidente da Associação Alemã de Agricultores, Joachim Rukwied, expressou a seriedade do descontentamento, rotulando os planos do governo como “uma declaração de guerra“. O ânimo dos agricultores é claro: eles não aceitarão pacificamente as propostas que consideram prejudiciais e injustas para o setor.

Rukwied foi além, indicando que, caso o governo não reveja suas propostas, novos protestos serão convocados. “A partir de 8 de janeiro estaremos presentes em todos os lugares de uma forma que o país nunca viu antes“, afirmou, delineando a determinação do setor em defender seus interesses.

O contexto dos cortes orçamentários

O cerne da insatisfação agrícola reside nos cortes orçamentários recentemente acordados pela coalizão governamental, composta por social-democratas, verdes e liberais. Esse pacto resultou na eliminação do subsídio ao diesel agrícola e no fim da isenção de impostos para veículos agrícolas e florestais. Essas medidas são parte de uma revisão do Orçamento para 2024, uma resposta a uma decisão do Tribunal Constitucional da Alemanha que instou o governo a cortar 17 bilhões de euros para evitar mais endividamento.

A Associação de Agricultores destaca que, com a abolição dos incentivos, o setor enfrentará uma carga adicional de mais de 1 bilhão de Euros por ano. Os agricultores estão preocupados com o impacto financeiro dessas mudanças, e Jörg Schäfer, um dos manifestantes, destaca que seu próprio negócio de 130 vacas e 200 hectares de terra arável terá que cobrir custos adicionais significativos, algo que ele considera “inaceitável“.

Protesto de agricultores em Berlim reúne mais de 1.500 tratores

O posicionamento do Governo e a busca por equilíbrio

Em resposta aos protestos, o ministro da Agricultura, Cem Özdemir, do partido Verde, que estava presente no evento, comprometeu-se a lutar para que os cortes não sejam tão extremos. No entanto, ele também enfrentou vaias e assobios dos manifestantes, indicando a tensão presente no diálogo entre o governo e os agricultores.

Um porta-voz do governo, Steffen Hebestreit, expressou compreensão em relação aos motivos dos agricultores, mas ressaltou que os cortes orçamentários inevitavelmente afetam diferentes setores. Ele afirmou: “Se tivermos de poupar grandes somas [de dinheiro], não é possível fazer isso sem que seja doloroso em algum momento.

O debate ambiental: Custos vs. Sustentabilidade

Os agricultores argumentam que custos de produção mais elevados podem resultar na importação de mais alimentos de países com padrões ambientais mais baixos que a Alemanha. Em contrapartida, algumas organizações ambientais veem os cortes como necessários para promover uma agricultura mais sustentável.

Protesto de agricultores em Berlim reúne mais de 1.500 tratores

Entretanto, há vozes que sugerem que, em vez de retirar os subsídios, o governo deveria explorar maneiras de incentivar práticas agrícolas mais ecológicas e o uso de energias renováveis no setor.

O protesto massivo em Berlim ressalta a importância de um diálogo equilibrado e construtivo entre o governo e os setores afetados. Vamos continuar os desdobramentos deste manifestação e trazer aqui os detalhes mais importantes.

Por: Agronews

Mais Agronotícias