IBGE prevê safra recorde de 318 milhões de toneladas para 2023

Produção pode ser 20,9% maior do que a registrada no ano anterior

Produção será 20,9% maior do que a registrada em 2022
Produção será 20,9% maior do que a registrada em 2022REUTERS/Rodolfo Buhrer

A produção de cereais, leguminosas e oleaginosas no país deverá fechar o ano com 318,1 milhões de toneladas, de acordo com pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgada na terça-feira (10).

A previsão foi feita no Levantamento Sistemático da Produção Agrícola, realizado em setembro.

Caso se confirme a estimativa, a produção será 20,9% maior do que a registrada em 2022, ou seja, 54,9 milhões de toneladas superior.

A previsão feita em setembro é 1,5% maior (mais 4,8 milhões de toneladas) do que a realizada pela pesquisa em agosto.

Para este ano são esperadas altas, em relação a 2022, de 26,5% para a soja, de 12,3% para o algodão herbáceo (em caroço), de 43,3% para o sorgo, de 19,6% para o milho e de 4,8% para o trigo. Entre as principais lavouras, apenas o arroz em casca deve fechar o ano em queda (-5,1%).

A área a ser colhida este ano deve ser de 77,8 milhões de hectares, altas de 6,3% em relação a 2022 (aumento de 4,6 milhões de hectares) e de 0,4% na comparação com a estimativa de agosto (mais 339 mil hectares).

“A principal variável que influencia na safra deste ano é o aumento da produtividade. A gente teve condições climáticas boas nas principais regiões produtoras“, afirma o pesquisador do IBGE Carlos Alfredo Guedes.

Mas mesmo com problemas no Rio Grande do Sul, o pesquisador afirma que a produção segue forte no país. “O estado enfrentou a falta de chuva, o que afetou as principais lavouras como soja e milho. Mesmo assim teve uma produção maior do que a do ano passado”

Outras lavouras

Além de cereais, leguminosas e oleaginosas, o IBGE também pesquisa outras lavouras importantes para a economia nacional.

São esperados aumentos, em relação a 2022, nas produções de cana-de-açúcar (11,9%), café arábica (14,6%), mandioca (2,6%), batata-inglesa (1,4%), uva (11,8%) e tomate (1,6%).

Por outro lado, 2023 deve ter queda nas safras de café canephora (-7,3%) e laranja (-7,2%).

A produção de banana deve manter se manter no mesmo nível de 2022.

 

Por: Vitor Abdala, da Agência Brasil

Mais Agronotícias