De olho no balanço hídrico do solo

Foto: Shutterstock

A expectativa é que, nos últimos dias de fevereiro e primeiros dias de março, a chuva dê trégua no norte paulista, em Minas Gerais, sul da Bahia e de Mato Grosso, em Goiás e Mato Grosso do Sul e ocorra em volumes maiores nas regiões Norte, Nordeste e Sul, alcançando até 105mm no acumulado, enquanto, no Brasil Central, o máximo previsto é de 85mm (figura 2).

Na maior parte do Brasil Central, durante o período entre 26 de fevereiro e 3 de março, a anomalia de precipitação deve ser negativa em até 50mm, o que significa volume abaixo da média para o período. Já no Norte, Nordeste e Sul, pode chover até 50mm acima da normalidade (figura 3).

Apesar dos bons volumes esperados para o período, a chuva não deve ser suficiente para as produções de grãos que já tiveram seu desenvolvimento impactado pelo calor e clima seco – como a de soja e milho 1ª safra. No entanto, nas regiões onde o plantio da 2ª safra de milho e da safra de algodão estão iniciando ou encaminhadas, a semeadura deve ser beneficiada pelas águas, a depender do balanço hídrico do solo.

Figura 1.
Precipitação acumulada no Brasil nos últimos trinta dias, até 21/2/24, em mm.

Fonte: INMET 

Figura 2.
Precipitação prevista entre 26 de fevereiro e 3 de março de 2024, em mm.

Fonte: CPC/NOAA

Figura 3.
Anomalia de precipitação prevista entre 26 de fevereiro e 3 de março, em mm.

Fonte: CPC/NOAA

Por: Scot Consultoria

Mais Agronotícias